sexta-feira, 19 de junho de 2009

Acidez bucal

Quem diria, até em nossa própria saliva existe a presença do potencial hidrogeniônico (pH), tudo se deve aos alimentos que ingerimos e como esses se comportam dentro de nossa boca. O pior é que este fator influi em nossa saúde bucal, o conteúdo a seguir esclarecerá a dúvida: Por que cáries aparecem em nossos dentes? A fermentação do bolo alimentar produz ácidos, por exemplo, as bactérias existentes em nossa saliva fermentam os carboidratos dos alimentos produzindo ácido lático, essa reação leva a uma diminuição do pH da boca, ele fica abaixo de 4,5 (ácido). Pode até parecer que os dentes são fortes por se tratar de uma estrutura óssea, mas a composição dos dentes envolve o mineral hidroxiapatita, inclusive é o principal constituinte, cuja fórmula é Ca5(PO4)3OH. A reação de ácidos com Hidroxiapatita dá origem a sais solúveis em água, por isso parte da Hidroxiapatita se dissolve, o que favorecerá o aparecimento de pequenas cavidades nos dentes. O problema pode ser ainda maior se o indivíduo tiver a doença bulimia (distúrbio provocado pela ingestão de alimentos seguida de vômito induzido). A doença faz com que o ácido clorídrico existente no estômago seja eliminado junto com o vômito, o que leva a uma redução ainda maior do pH presente na boca, chegando a 1,5 (muito ácido). Apresentamos aqui uma solução para combater a corrosão dentária: a aplicação periódica de flúor. Os íons fluoreto (F-) presentes no flúor transformam a Hidroxiapatita em fluorapatita (substância ideal por ser menos solúvel em ácidos). Vale lembrar que o flúor sozinho não resolve o problema, uma escovação correta e o uso diário do fio dental são fundamentais para evitar a deterioração dos dentes.

Veja quando você toma coca-cola o que acontece

Já imaginou o que acontece com seu organismo depois de tomar uma Coca-Cola geladinha? Veja aqui, passo-a-passo, o que ocorre após ingerir Coca-Cola.
Você já imaginou porque a Coca-Cola te deixa alegre? É porque ela te deixa meio "alto", se é que vocês me entendem. Eles tiraram a cocaína da fórmula há quase 100 anos, sabe porque? Porque ela era totalmente redundante.
10 minutos- Uma quantidade parecida com 10 colheres de chá de açúcar golpeiam seu organismo (100% da recomendação diária). Com essa quantidade de açúcar, você só não vomita imediatamente porque o ácido fosfórico quebra o enorme sabor de açúcar, permitindo que a Coca não fique tão doce.
20 minutos - O açúcar do seu sangue aumenta, causando uma explosão de insulina. Seu fígado responde transformando todo o açúcar em gordura (que nesse momento é abundante).
40 minutos - A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, sua pressão aumenta e, como resposta, seu fígado joga mais açúcar em sua corrente sanguínea. Os receptores de adenosina no seu cérebro são bloqueados, evitando que você fique entorpecido.
45 minutos - Seu corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do seu cérebro. Fisicamente, é exatamente isso que acontece se você tomar uma dose de heroína.
60 minutos - O ácido fosfórico prende o cálcio, o magnésio e zinco no seu intestino grosso, provocando um aumento no metabolismo. Essa junção é composta por altas doses de açúcar e adoçantes artificiais. Isso também faz você eliminar cálcio pela urina.
65 minutos - A propriedade diurética da cafeína começa a agir, e faz você ter vontade de ir ao banheiro. Agora é certo que você ira defecar a junção de cálcio, magnésio e zinco; que deveriam ir para seus ossos, assim como o sódio e a água.
70 minutos - O entusiasmo que você sentia, passa. Você começa a sentir falta de açúcar, que faz você ficar meio irritado e/ou com preguiça. Essa hora você já urinou toda a água da Coca, mas não sem antes levar junto alguns nutrientes que seu corpo iria usar para hidratar o organismo e fortalecer ossos e dentes.
Isso tudo será seguido por uma enorme falta de cafeína em poucas horas. Menos de duas, se você for fumante.
Mas não tem problema, toma outra Coca-Cola aí que vai fazer você se sentir melhor.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

O que acontece no seu corpo quando ingere refrigerante?

Primeiros 10 minutos: 10 colheres-de-chá de açúcar batem no seu corpo, o que significa: 100% do recomendado diariamente. Você não vomita imediatamente pelo doce extremo porque o ácido fosfórico corta o gosto.

Passados 20 minutos: o nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina. O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura. (É muito para esse momento em particular.)

Passados 40 minutos: a absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

Passados 45 minutos: o corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como a heroína.)

Passados 50 minutos: o ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo. As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina.

Passados 60 minutos: as propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina. Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, dos quais seus ossos precisariam. Conforme a onda abaixa, você sofrerá um choque de açúcar. Ficará irritadiço. Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas que farão falta ao seu organismo.

Pense nisso antes de beber refrigerantes. Prefira sucos naturais. Seu corpo agradece!

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Formação da nata do leite

Se deixarmos um leite não-pasteurizado em repouso durante alguns minutos, vamos nos deparar com a formação de uma camada de textura diferente sobre sua superfície. Essa camada é a nata, odiada por uns e adorada por outros.

O leite é formado por inúmeros compostos, como proteínas, açúcares, sais minerais, certos tipos de vitaminas, etc. Em sua composição também estão dispersos os glóbulos de gordura. Em cada mililitro de leite existem cerca de 15 bilhões desses compostos, sendo eles os responsáveis pela formação da nata.

Quando o leite não-pasteurizado é colocado em repouso por algum tempo, os glóbulos de gordura se deslocam para a superfície do leite, resultando na nata. Portanto podemos concluir que a nata é basicamente formada por gordura, por esse motivo ela é necessária na produção da manteiga, por exemplo.

O leite pasteurizado passa pelo processo da homogeneização, o qual consiste na passagem do leite sob pressão por pequenos orifícios, ocasionando a redução do tamanho dos glóbulos de gordura. Por esse motivo, a nata não se forma no leite pasteurizado.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Homem segundo a Química

Elemento: Homem
Símbolo: Hm
Massa atômica: normalmente 70, mas pode variar entre 0-150kg.
Descoberto por: Eva
Ocorrência: normalmente encontrado junto ao elemento Mulher (Mu), em alguns casos a concentração é bastante elevada.
Propriedades gerais:
- perde a estabilidade quando misturado com etanol
- passa a estados de baixa energia depois de reagir com o elemento Mulher (Mu)
- ganha massa com o passar do tempo, e a capacidade reativa diminui
- raramente encontrado na forma pura após 14 anos
- normalmente recoberto por uma camada dura, mas com um interior mole.
- estrutura simples
Propriedades químicas:
- propridades alteradas quando reage com formas impuras de Mulher (Mu)
- pode reagir com vários isótopos de Mulher (Mu), e em alguns casos a reação é muito rápida
- pode reagir de forma violenta quando submetido a pressão
Estocagem: reatividade só é satisfatória após 18 anos
Usos: beneficiamento do elemento Mulher (Mu)
Cuidados: pode reagir de forma violenta se impedido de interagir com o elemento Mulher (Mu). O elemento mulher pode torná-lo muito maleável.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

2011: Ano Internacional da Química

Koïchiro Matsuura, director-geral da UNESCO
Koïchiro Matsuura, director-geral da UNESCO

As Nações Unidas, na sua 63ª assembleia-geral, aprovaram a proposta da IUPAC – já anteriormente acolhida pela UNESCO – para designar 2011 como Ano Internacional da Química. A proposta foi entregue pela delegação da Etiópia com o patrocínio de 35 países e o apoio de muitos mais.

Num comunicado de imprensa conjunto, a UNESCO e a União Internacional de Química Pura e Aplicada (International Union of Pure and Applied Chemistry – IUPAC) salientam que o Ano Internacional da Química permitirá celebrar os contributos da química para o bem-estar da Humanidade.



Tendo em atenção a inclusão da celebração na Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014) as actividades a desenvolver durante 2011 deverão dar ênfase à importância da química na sustentabilidade dos recursos naturais.

Esta é uma ocasião particularmente feliz para a Sociedade Portuguesa de Química (SPQ), já que em 2011 celebrará também o primeiro centenário da sua fundação. A entidade apoiou esta iniciativa da IUPAC desde o primeiro momento e contactou directamente com o representante permanente de Portugal junto da UNESCO e o embaixador permanente de Portugal junto das Nações Unidas no sentido de os sensibilizar para um voto favorável.

Segundo Jung-Il Jin, presidente da IUPAC, "o Ano Internacional da Química vai dar um impulso global à ciência química, na qual a nossa vida e o nosso futuro se apoiam. Esperamos conseguir aumentar o conhecimento e apreciação pública pela química, atrair o interesse dos jovens pela ciência, e gerar entusiasmo para um futuro criativo da química."

Koïchiro Matsuura, Director-Geral da UNESCO, refere que aumentar a apreciação do público pela química é o mais importante, tendo em vista os desafios do desenvolvimento sustentável. “A química tem um papel fundamental no desenvolvimento de energias alternativas e na alimentação da população mundial", concluiu o director-Geral da UNESCO.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009


Você já ouviu esta frase: Rolou uma química entre nós! Será que existe mesmo uma explicação científica para o amor?

O sentimento não afeta só o nosso ego de forma figurada, mas está presente de forma mais concreta, produz reações visíveis em nosso corpo inteiro. Se não fosse assim como explicar as mãos suando, coração acelerado, respiração pesada, olhar perdido (tipo "peixe morto"), o ficar rubro quando se está perto do ser amado?
Afinal, o amor tem algo a ver com a Química? Na verdade O AMOR É QUÍMICA!

Todos os sintomas relatados acima têm uma explicação científica: são causados por um fluxo de substâncias químicas fabricadas no corpo da pessoa apaixonada. Entre essas substâncias estão: adrenalina, noradrenalina, feniletilamina, dopamina, oxitocina, a serotonina e as endorfinas. Viu como são necessários vários hormônios para sentir aquela sensação maravilhosa quando se está amando?
A dopamina produz a sensação de felicidade, a adrenalina causa a aceleração do coração e a excitação. A noradrenalina é o hormônio responsável pelo desejo sexual entre um casal, nesse estágio é que se diz que existe uma verdadeira química, pois os corpos se misturam como elementos em uma reação química. Mas acontece que essa sensação pode não durar muito tempo, neste ponto os casais têm a impressão que o amor esfriou. Com o passar do tempo o organismo vai se acostumando e adquirindo resistência, passa a necessitar de doses cada vez maiores de substâncias químicas para provocar as mesmas sensações do início. É aí que entra os hormônios Ocitocina e Vasopressina, são eles os responsáveis pela atração que evolui para uma relação calma, duradoura e segura, afinal, o amor é eterno!